Tratamento de fotografias: remoção de cartões e planificação

O tratamento descrito abaixo foi realizado no Arquivo Municipal de Lisboa durante o estágio que eu fiz em 2010. Apresentei o relato dessa experiência no curso da Lupa (empresa do Luis Pavão em Portugal) no IEB-USP (Instituto de Estudos Brasileiros da Universidade de São Paulo) em dezembro do mesmo ano e segue agora revisado e atualizado.

Quando iniciei o estágio encontrei a coleção espalhada numa sala, sobre as mesas. Segundo o professor Luis Pavão, se tratava da Colecção da Divisão de Projecto e Planeamento, que havia chegado no arquivo há cerca de dois meses e parte delas se encontravam molhadas. Como ação emergencial foram distribuídas dessa forma pelo espaço, para que pudessem secar mais rapidamente e sem aderirem umas às outras.

Coleção  provas molhadas. © Carol Vergotti

As fotografias estiveram em contato com a água provavelmente durante alguns dias, pois as emulsões encontravam-se fragilizadas e com desprendimentos. Outra deterioração causada pela água foi a deformação das fotografias: uma parte dos cartões colados separaram-se, resultando em ondulação, vincos e mesmo rasgos. Das 25 provas coladas em cartão, 9 estavam em estado mais fragilizado, com perda de emulsão e perda parcial da imagem.

Provas com deformações e perdas de emulsão. © Carol Vergotti

Prova com deformação, perda de emulsão e fungo. © Carol Vergotti
Verso do cartão com bolor. © Carol Vergotti

Em primeiro lugar foi feito um inventário da coleção com a identificação dos processos, quantidades e tamanhos.

Foi decido o descarte de duplicatas, e que o tratamento seria dado as provas coladas em cartão (fotografias aéreas) e provas com encurvamento (plantas e maquetes) – ambos os conjuntos se tratavam de prova de revelação em papel baritado.

O tratamento escolhido foi a limpeza e remoção dos cartões por meio aquoso: por total imersão em água. Essa é uma decisão bastante polêmica por conta da fragilidade da emulsão, porém, apesar disso, muitas vezes se torna uma intervenção mais segura por ser mais rápida e por agir em toda a fotografia ao mesmo tempo, evitando deformações. Essa decisão também considerou o fato de que a cola do suporte secundário era solúvel em água, já que as fotografias coladas em cartão mostravam desprendimento do mesmo nas regiões que estiveram na água.

Para a remoção dos cartões ácidos e limpeza das provas foram seguidos os seguintes passos:

  1. Tomar notas das inscrições no verso das provas (quando houver);
  2. Fotografar a prova mostrando ondulação, levantamentos, perdas da emulsão;
  3. Mergulhar a prova inteira numa tina com água da torneira;
  4. Aguardar aproximadamente 20 minutos para que a prova absorva água;
  5. Assim que a cola soltar-se, remover o cartão;

    Prova imersa na água – depois de alguns minutos o cartão começa a se soltar. © Carol Vergotti
  6. Passar para uma água limpa e com os dedos remover sujeiras com muito cuidado, não tocar nas áreas em que a emulsão está a levantar;
  7. Terceira imersão em água com “Agepon” (agente molhante, como o photo flo);
  8. Tempo máximo de imersão 60 minutos (total de banhos);
  9. Remover a prova da água com as duas mãos;
  10. Colocar na horizontal sobre vidro acrílico e escorrer a água com limpa vidros no verso da prova;
  11. Colocar sobre as redes com emulsão para cima;

    Prova secando. © Carol Vergotti
  12. Deixar secar até perder a maior parte da água;
  13. Quando seca colocar entre mata-borrão e com reemay sobre a emulsão;
  14. Colocar na prensa seguindo o esquema (de baixo para cima): placa com cartão de conservação, cartão de conservação, mata-borrão, prova, reemay, mata-borrão, cartão de conservação e por último outra placa com cartão de conservação;
    Esquema de planificação © Carol Vergotti

    Prensa para planificação. © Carol Vergotti
  15. Deixar na prensa de um dia para outro;
  16. Retirar da prensa, anotar no verso a lápis a anotação original que se encontrava no cartão ácido;
  17. Colocar as provas entre mata-borrão sob vidro pesado.

Após tratamento:

 

Após tratamento: Provas limpas e planificadas. © Carol Vergotti
Após tratamento: Provas limpas e planificadas. © Carol Vergotti

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *